Pressão para reduzir o realismo do Brasil até 2022, disse um funcionário do Zenbank

Brasília / São Paulo, 15 de outubro (Reuters) – O diretor de política monetária do Banco Central do Brasil, Bruno Serra, disse na sexta-feira que o banco espera desacelerar no próximo ano e discutir intervenção cambial.

Sera disse que o banco está intervindo no mercado de câmbio desde o final de setembro e já vendeu US $ 3,5 bilhões. Atualmente o principal motivo da desvalorização do real, segundo Serra, é o risco para a estabilidade financeira.

Ele lembrou que, nos últimos dois anos, as empresas brasileiras vêm pagando dívidas externas, o que reduziu o crédito normal. Serra espera que o movimento termine o ano que vem com US $ 20 bilhões em receita anual. Isso reduzirá a pressão de depreciação mais do que realmente é.

Serra disse que os investidores brasileiros estão pesando no mercado de câmbio para diversificar seus investimentos, enviando suas economias para o exterior. O diretor do banco central disse que os brasileiros enviam cerca de US $ 600 milhões por mês para investir no exterior, e o valor acumulado chega a US $ 12 bilhões.

Serra também disse que uma valorização real em relação ao dólar é esperada nos próximos meses, uma vez que os investidores começam a reagir às diferenças nas taxas de juros mais altas à medida que a liquidez melhora, após os recentes aumentos das taxas de juros brasileiras contra a inflação.

Separadamente, o banco central brasileiro disse na sexta-feira que ofereceria US $ 500 milhões em câmbio em um leilão extraordinário na segunda-feira, oferecendo metade do valor para cobrir o valor real em uma venda semelhante nesta semana.

Marcella Ayers em Brasília e Jose Gomez Relatório da OTAN em São Paulo, escrito por Tatiana Patcher; Edição de Steve Arlofsky e Sandra Malar

Nossos padrões: Políticas da Fundação Thomson Reuters.

READ  Os melhores 30 baphomet para você

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Petro Link