Notícias

Petróleo que polui Costa do Nordeste ‘provavelmente’ veio da Venezuela; diz ministro

Os esforços do governo para descobrir a origem de lavagem de óleo em mais de 130 praias ao longo de sua costa do nordeste, apontam a Venezuela como a provável culpada.

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, disse na quarta-feira que um relatório da empresa petrolífera brasileira SA indica que o petróleo é originário da Venezuela, país que sofre uma crise econômica após anos de má administração e corrupção generalizada.

A Petrobras, sediada no Rio de Janeiro, disse que estudos moleculares do óleo derramado mostram que ele não foi produzido no Brasil ou vendido pela empresa, e não confirmou ou negou a origem do petróleo.

“Este petróleo que está chegando, provavelmente é da Venezuela”, disse Salles a parlamentares durante uma audiência. “É o petróleo que vem de um navio-tanque estrangeiro navegando perto da costa do Brasil.”

Relacionado: Derramamento de petróleo no litoral do Nordeste é fato inédito, diz Marinha

O CEO da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse na terça-feira que cerca de 500 bbls foram derramados, o que significa que não era apenas de um petroleiro que estava sendo limpo. Ele disse que poderia ter vindo de um navio-tanque que afundou, um acidente ao carregar petróleo de um navio-tanque para outro ou de um ato criminoso.

O derramamento de óleo está colocando o Brasil de volta aos holofotes por desastres ambientais. Um aumento de incêndios na floresta amazônica em agosto provocou uma reação internacional contra o presidente Jair Bolsonaro, um conservador social que apoia o desenvolvimento de recursos naturais na Amazônia. Duas grandes barragens de resíduos de mineração entraram em colapso desde 2015, reivindicando centenas de vidas e poluindo cursos d’água em vários estados.

O Brasil começou a perceber o petróleo em 2 de setembro e iniciou os esforços de limpeza e investigações sobre a causa, incluindo uma investigação criminal pela polícia federal, de acordo com a agência ambiental do Ibama.

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para O Topo