o ex-policial impetuoso dividindo o Brasil

Emitida em: Modificado:

Brasília (AFP) – Para o Supremo Tribunal Federal, ele é um criminoso. Para o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados, ele é um herói. Daniel Silveira, um ex-policial impetuoso e musculoso que se tornou deputado e condenado, está dividindo o Brasil a cinco meses das eleições.

Silveira ganhou as manchetes internacionais no mês passado depois que a Suprema Corte o sentenciou a quase nove anos de prisão por atacar verbalmente as instituições democráticas do país e liderar um movimento pedindo a derrubada do tribunal.

No dia seguinte, agindo “em nome da liberdade de expressão”, Bolsonaro perdoou o primeiro mandato do deputado do Rio de Janeiro – provocando uma tempestade em um país já polarizado à medida que avança para as eleições de outubro, onde o presidente de extrema-direita luta para ganhar a reeleição.

Silveira, 39 anos, ganhou fama no Brasil – ou infâmia, dependendo de quem você pergunta – em 2018, ano em que se demitiu da polícia estadual do Rio para concorrer ao Congresso pelo Partido Social Liberal.

Irritando uma multidão de radicais de extrema-direita em um comício de campanha, ele destruiu uma placa de rua em homenagem à ex-vereadora do Rio Marielle Franco, uma feminista e ativista de direitos humanos que foi assassinada no início daquele ano.

Franco, um herói da esquerda, era uma figura de ódio para os conservadores da linha dura. O ato de vandalismo de Silveira ajudou a garantir sua eleição em outubro, na mesma onda de extrema-direita que levou Bolsonaro ao poder.

‘The Rock’ do Brasil

Silveira, cuja cabeça raspada e físico corpulento atraíram comparações com o lutador profissional americano que virou ator Dwayne “The Rock” Johnson, já havia mostrado uma veia rebelde durante seus seis anos como policial: ele foi punido 60 vezes por insubordinação e má conduta, segundo o jornal. Reportagens da mídia brasileira.

READ  Os melhores 30 vaso sanitario para você

Ele logo se tornou um dos mais leais apoiadores de Bolsonaro na câmara baixa, onde muitas vezes ostentava seu distintivo de lapela de marca registrada – duas pistolas cruzadas.

Mas ele era um membro relativamente de baixo escalão da tribo “bolsonarista” até que suas diatribes nas mídias sociais entraram em conflito com a Suprema Corte.

Com os apoiadores linha-dura de Bolsonaro acusando o Supremo Tribunal e o Congresso de conspirar para bloquear a agenda do presidente, Silveira emergiu como o líder mais feroz do movimento pedindo sua deposição.

Em uma série de vídeos, ele atacou o tribunal, dizendo que seus juízes mereciam “uma surra”.

Falando do ministro Alexandre de Moraes, que ordenou que Bolsonaro seja investigado por espalhar desinformação, Silveira disse: “o povo precisa ir ao STF, pegar Moraes pelo pescoço e jogar sua cabecinha de ovo no lixo”.

Ele também fez uma defesa apaixonada da ditadura militar brasileira (1964-1985), que Bolsonaro também admira, apesar de seu histórico de violações de direitos humanos.

‘Jogada de marketing’

Em fevereiro de 2021, Moraes ordenou a prisão de Silveira por supostamente tramar “atos visando prejudicar (o Supremo Tribunal Federal) e o Estado Democrático de Direito”.

Libertado sob fiança, mas proibido de postar nas redes sociais, ele continuou a encontrar maneiras de travar sua guerra de palavras na quadra.

Ele abandonou o monitor eletrônico de tornozelo que deveria usar, barricando-se dentro de seu escritório no Congresso em março, desafiando uma ordem judicial para usá-lo.

Bolsonaro, que disse que a prisão de Silveira “doeu (seu) coração”, rapidamente o perdoou quando o Supremo o sentenciou a oito anos e nove meses de prisão e privou-o de seu direito de ocupar cargos públicos.

READ  Google vai dobrar equipe de tecnologia no Brasil até 2023

“No passado, (presidentes) libertavam ladrões… Eu liberto pessoas inocentes”, disse Bolsonaro em evento em homenagem a Silveira.

O campo de Bolsonaro fez de Silveira um mártir pela causa da liberdade de expressão.

Eduardo Bolsonaro, filho do deputado do presidente, o comparou a Jesus, e ele foi recebido como uma estrela do rock no domingo em comícios pró-Bolsonaro no Rio de Janeiro.

A influência de Silveira na direita aumentou em conjunto com seus problemas legais, o que lhe rendeu uma cobiçada indicação ao poderoso comitê de constituição e justiça da câmara baixa.

Mas “a importância de Silveira no campo de Bolsonaro é mais simbólica do que real”, diz o analista político André Cesar, da consultoria Hold.

Com Bolsonaro perdendo nas pesquisas para o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) indo para as eleições de outubro, “é uma jogada de marketing … para a base mais dura”, disse ele à AFP.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

PETROLINK.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Petro Link