Líderes do México e do Brasil ignoram seus delegados da ONU e se recusam a sancionar a Rússia

Embora a invasão da Ucrânia por Putin tenha recebido condenação unilateral de nações latino-americanas como Argentina, Colômbia e Chile, outros líderes da região expressaram simpatia, ou mesmo apoio, à causa do Kremlin.

Na quarta-feira, quatro países latino-americanos – El Salvador, Cuba, Bolívia e Nicarágua – se abstiveram na votação da Assembleia Geral das Nações Unidas para condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia, optando por não denunciar diretamente as ações de Putin.

Apenas um dia antes, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em um telefonema com o próprio Putin, ofereceu seu “apoio total” ao Kremlin e criticou abertamente as sanções ocidentais.

“A votação da ONU mostra a complexidade da política na América Latina”, disse o Dr. Evan Ellis, professor pesquisador de Estudos Latino-Americanos no Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército dos EUA, disse Newsweek.

“Você tem a Venezuela, a Nicarágua e o regime em Cuba que vão com os russos até o fim”, disse ele. “Então você tem atores pró-EUA, por exemplo, Guatemala ou Equador, que são campeões da democracia e têm linguagem condenando a agressão russa contra o povo ucraniano.”

“E então você tem essa variedade incomum de países no meio”, acrescentou.

E esse “alcance incomumente amplo” é a chave para o futuro da influência de Putin na região.

A relação da Rússia com a América Latina varia de país para país, mas reuniões diplomáticas entre líderes, remessas em larga escala de vacinas Sputnik V e a crescente influência das mídias sociais ajudaram a fortalecer a posição de Moscou na região, disse Vladimir Rouvinski, diretor do Centro de Pesquisa Interdisciplinar. na Universidade Icesi, que atualmente vive na Colômbia.

“A ideia que o governo russo está vendendo para os latino-americanos é: ‘Olha, estamos entrando em um novo tipo de mundo'”, disse Rouvinski. Newsweek. “‘Não sabemos quais serão as regras, mas vamos ser parceiros na construção dessa nova ordem mundial.'”

READ  MotoGP 22 avaliado no Brasil para PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series, PC e Nintendo Switch

Algumas dessas táticas russas se mostraram muito eficazes, principalmente em países onde a popularidade americana é baixa.

“Com o nível de antiamericanismo que ainda existe aqui na América Latina”, disse Rouvinski, “esta narrativa é muito atraente para algumas partes de nossa sociedade”.

Enquanto alguns países latinos correm para se alinhar com o Ocidente ou com o Kremlin, outros adotaram uma abordagem mais comedida.

Apesar das declarações públicas feitas em apoio à Ucrânia, as duas maiores democracias da América Latina, Brasil e México, demoraram a tomar medidas decisivas contra a invasão russa.

Diplomatas mexicanos condenaram publicamente a invasão e votaram a favor da resolução da ONU no início desta semana. Mas até o momento, o México se recusou a impor sanções econômicas a Moscou.

Em entrevista coletiva na terça-feira, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador compartilhou sua posição sobre a invasão.

“Não consideramos isso [the war] nos preocupa”, disse o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, a repórteres na terça-feira”, e achamos que o melhor é promover o diálogo para alcançar a paz. “Obrador disse que seu país não colocará sanções econômicas à Rússia por sua invasão da Ucrânia. Acima, Lopez Obrador participa de um briefing diário em 25 de fevereiro de 2022 em Colima, México.
Leonardo Montecillo / Agencia Press South via Getty Images

“Não consideramos isso [the war] nos preocupa”, disse ele, e pensamos que o melhor é promover o diálogo para alcançar a paz”.

“Não vamos sofrer nenhum tipo de represália econômica”, acrescentou, “porque queremos ter boas relações com todos os governos do mundo”.

Ellis disse que o Brasil, com a maior economia da região, enfrenta uma dinâmica política igualmente complexa.

Até certo ponto, os latino-americanos sentem genuinamente que os EUA também são um valentão, então há um tom de cinza em termos dessa ambiguidade moral”.

Dr. Evan Ellis, professor de pesquisa, Estudos Latino-Americanos, Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército dos EUA

Rompendo com a condenação expressa pelos cidadãos e diplomatas do seu próprio país no Nações Unidaso presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse que apoia uma abordagem imparcial da situação, dizendo que seu país “não vai tomar partido”.

READ  Bolsanaro no Brasil vê problema com as novas regras de gastos no Senado

“Vamos continuar neutros e ajudar, no que for possível, a encontrar uma solução”, disse ele a repórteres.

Embora a neutralidade possa ser uma estratégia atraente de curto prazo, Ellis disse que, à medida que o conflito se intensifica, recusar-se a escolher um lado nesta crise é um risco geopolítico.

“Até certo ponto, os latino-americanos sentem genuinamente que os EUA também são um valentão”, disse ele, “portanto, há um tom de cinza em termos dessa ambiguidade moral”.

“Quando há muito dinheiro em jogo e as coisas não estão claras, alguns países querem dizer ‘os EUA são ruins e a Rússia também”, acrescentou. “Todo mundo é ruim, então deixe-nos fazer o que queremos fazer.”

Apesar dessas complexidades políticas e históricas, os países que decidem expressar apoio à Rússia provavelmente verão efeitos negativos significativos.

As sanções impostas recentemente pelo Ocidente podem estar entre as mais severas impostas contra uma nação nos tempos modernos e causarão sérios danos à economia russa, limitando severamente sua capacidade de importar e exportar mercadorias, dizem especialistas.

A decisão de sancionar os bancos russos pela invasão da Ucrânia também pode acabar punindo alguns dos aliados mais próximos de Moscou na América Latina – como Nicarágua, Cuba e Venezuela – dada sua dependência do sistema financeiro russo para contornar suas próprias sanções dos EUA.

Juan González, diretor do Conselho de Segurança Nacional para assuntos do hemisfério ocidental, disse que essas consequências secundárias das sanções são prováveis ​​- e intencionais.

“As sanções à Rússia são tão robustas que terão um impacto sobre os governos que têm afiliações econômicas com a Rússia”, disse ele à Voice of America, e isso foi planejado.

READ  Os melhores 30 do inferno para você

“Então a Venezuela vai começar a sentir essa pressão, a Nicarágua vai começar a sentir essa pressão”, acrescentou. “Assim como Cuba.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

PETROLINK.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Petro Link