Itaú prevê queda do Brasil em 2022

SÃO PAULO, 25 de outubro (Reuters) – Analistas do maior banco da América Latina disseram na segunda-feira que a economia brasileira pode encolher no ano que vem, à medida que o banco central aumenta as taxas de juros em meio a preocupações com o aumento dos gastos do governo.

Economistas do Itaú Unibanco revisaram sua projeção de crescimento econômico para 2022 de 0,5% para -0,5%, e esperam que a taxa básica de juros do Brasil suba para 11,25% para conter a inflação do banco central.

O banco anteriormente tinha taxas de juros de 9%.

As ações brasileiras e a moeda real atingiram na semana passada depois que o governo do presidente Jair Bolsanaro deveria se candidatar à reeleição no ano que vem – aumentando o limite de gastos constitucionais do país e mandando quatro funcionários-chave do tesouro para fora daqui.

Uma perspectiva financeira frouxa forçará o banco central a fazer aumentos ainda mais drásticos nas taxas, evitando uma recuperação fraca de uma recessão mais profunda do COVID-19, prevê o Itaú.

Os analistas estão agora propondo um aumento de 150 pontos-base nas taxas de juros nas reuniões de política desta semana e em dezembro, de um aumento total de pontos percentuais nas reuniões recentes.

Aumentos adicionais de 100 ou 125 pontos-base não conseguirão controlar a inflação, enquanto acima de 150 pontos-base podem levar o Brasil a uma recessão profunda.

Em um discurso em Brasília no final do dia, o ministro da Economia, Guedes, parecia estar contra o relatório do Itaú, dizendo que a economia do país havia superado as expectativas em 2022.

“Dizem que ainda não vão crescer (Brasil)”, disse Guedes. “Vai crescer de novo.” (Relatório de Jose de Castro; Relatório adicional de Marcela Ayers em Brasília; Escrito por Gram Slater; Edição de Sandra Malor)

READ  Protestos em massa no Brasil pedem acusação de Jair Bolsanaro

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Petro Link