Dinossauro que vagava pelo Brasil há 230 milhões de anos é saudado como um ‘elo perdido’ na evolução

Conheça o ‘bisavô’ de Diplodocus e Brontosaurus! Dinossauro que vagava pelo Brasil há 230 milhões de anos é saudado como o ‘elo perdido’ na evolução dos maiores animais terrestres do mundo

  • Os restos fossilizados da nova espécie foram descobertos no Brasil
  • O dinossauro tinha cerca de dois metros de comprimento e andava sobre as duas patas traseiras
  • Datando de 230 milhões de anos, pesquisadores dizem que a nova espécie pode ser o ‘elo perdido’ na evolução dos saurópodes


Eles são dois dos dinossauros mais distintos que vagaram pela Terra, e agora o ‘bisavô’ do diplodocus e do brontossauro foi descoberto.

O dinossauro de 230 milhões de anos desenterrado no Brasil foi saudado como um ‘elo perdido’ na evolução dos maiores animais terrestres do mundo.

A criatura de pescoço comprido foi um dos primeiros sauropodomorfos – um grupo que inclui os gigantes icônicos.

Como o T.Rex, era bípede, enquanto seus famosos descendentes herbívoros andavam sobre quatro patas.

O dinossauro de 230 milhões de anos desenterrado no Brasil foi saudado como um 'elo perdido' na evolução dos maiores animais terrestres do mundo

O dinossauro de 230 milhões de anos desenterrado no Brasil foi saudado como um ‘elo perdido’ na evolução dos maiores animais terrestres do mundo

O ‘bisavô’ de Diplodocus e Brontosaurus

O animal ainda não foi nomeado, mas tinha cerca de sete pés de comprimento.

READ  Os embarques de açúcar foram atrasados ​​porque o fluxo de café para os portos brasileiros foi interrompido

Seu pescoço teria ajudado a acessar mais alimentos de samambaias e gimnospermas – plantas sem flores que produzem cones e sementes.

Dr. Muller disse: “O animal tinha predadores, incluindo precursores do tamanho de um lobo para mamíferos e crocodilos primitivos chamados pseudosuchians.”

Também compartilhava a paisagem com outros grandes vertebrados, como répteis com presas conhecidos como dicinodontes.

O dinossauro viveu durante o Triássico Superior, quando a América do Sul ainda fazia parte do supercontinente Pangeia.

O autor principal, Dr. Rodrigo Muller, da Universidade Federal de Santa Maria, Brasil, disse: “É o dinossauro mais antigo conhecido com um pescoço alongado – tornando-o o “bisavô” dos saurópodes!

“Eles cresceram para tamanhos muito grandes, tinham pescoços e caudas longos, eram quadrúpedes – e se tornaram os maiores animais que já andaram na Terra.

“Este sauropodomorfo inicial era muito menor – lançando uma nova luz sobre sua evolução. É um elo perdido na árvore genealógica.’

Na época – além de alcançar uma dieta mais herbívora – os sauropodomorfos estavam aumentando de tamanho.

O Dr. Muller disse: “O pescoço longo típico deles também foi estabelecido – tornando-se proporcionalmente duas vezes mais longo que os de animais semelhantes.”

No início de sua ascensão, há 233 milhões de anos, eles tinham menos de 1,5 metro de comprimento e cerca de uma pedra. Alguns mais tarde atingiram mais de 130 pés e 100 toneladas.

Muller explicou: “Os dinossauros escavados em locais que datam de 225 milhões de anos atrás eram maiores – 13 pés de comprimento e mais de 16 pedras.

“Este aumento no tamanho do corpo ocorreu durante um intervalo de 8 milhões de anos e exigiu uma série de adaptações esqueléticas para suportar um corpo mais pesado.”

READ  Governo brasileiro nomeia Rodolfo Landim para presidir o conselho da Petrobras

O momento e a ordem em que essas mudanças ocorreram são desconhecidos. A nova espécie ajuda a preencher a lacuna.

Seus restos foram escavados em um cemitério de animais pré-históricos no sul do Brasil.

Os ossos fossilizados pertencem a um dinossauro que teria medido cerca de dois metros e meio de comprimento.

Muller disse: “Esta descoberta fornece novos dados sobre o que estava acontecendo com os esqueletos de dinossauros à medida que eles se tornavam maiores.

Os ossos fossilizados pertencem a um dinossauro que teria medido cerca de sete pés de comprimento

Os ossos fossilizados pertencem a um dinossauro que teria medido cerca de sete pés de comprimento

Seu pescoço teria ajudado a acessar mais alimentos de samambaias e gimnospermas - plantas sem flores que produzem cones e sementes (impressão do artista)

Seu pescoço teria ajudado a acessar mais alimentos de samambaias e gimnospermas – plantas sem flores que produzem cones e sementes (impressão do artista)

O animal descrito no Journal of Vertebrate Paleontology ainda não foi nomeado.

Dr. Muller disse: ‘É um dos ancestrais mais antigos de diplodocus e brontossauro.’

Seu pescoço teria ajudado a acessar mais alimentos de samambaias e gimnospermas – plantas sem flores que produzem cones e sementes.

Dr. Muller disse: “O animal tinha predadores, incluindo precursores do tamanho de um lobo para mamíferos e crocodilos primitivos chamados pseudosuchians.”

Também compartilhava a paisagem com outros grandes vertebrados, como répteis com presas conhecidos como dicinodontes.

O dinossauro viveu durante o Triássico Superior, quando a América do Sul ainda fazia parte do supercontinente Pangeia.

Acredita-se que o argentinossauro tenha sido o maior saurópode de todos. Era quase do tamanho de uma baleia azul.

Especialistas estimam que seria necessário comer incríveis 100.000 calorias em um único dia – 40 vezes mais do que um ser humano médio.

SAURÓPODES: DINOSSAUROS DE PESCOÇO COMPRIDO E CÉREBRO PEQUENO

Os saurópodes foram o primeiro grupo bem-sucedido de dinossauros herbívoros, dominando a maioria dos ecossistemas terrestres por mais de 140 milhões de anos, do Triássico Superior ao Cretáceo Superior.

READ  Manifestantes indígenas buscam 'asilo' norueguês para árvore brasileira

Eles tinham pescoços e caudas longos e crânios e cérebros relativamente pequenos.

Eles se estendiam a 130 pés (40 metros) e pesavam até 80 toneladas (80.000 kg) – 14 vezes o peso de um elefante africano.

Os saurópodes foram o primeiro grupo bem-sucedido de dinossauros herbívoros, dominando a maioria dos ecossistemas terrestres por mais de 140 milhões de anos, do Triássico Superior ao Cretáceo Superior.

Os saurópodes foram o primeiro grupo bem-sucedido de dinossauros herbívoros, dominando a maioria dos ecossistemas terrestres por mais de 140 milhões de anos, do Triássico Superior ao Cretáceo Superior.

Eles eram generalizados – seus restos foram encontrados em todos os continentes, exceto na Antártida.

Eles tinham narinas no alto de seus crânios – em vez de estarem localizadas na ponta do focinho como as de tantos outros vertebrados terrestres.

Alguns fósseis mostram que essas aberturas nasais estavam tão acima do crânio que havia muito perto das aberturas dos olhos.

Os saurópodes, como o Diplodocus, começaram a se diversificar no Jurássico Médio há cerca de 180 milhões de anos.

Fonte: Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia

Propaganda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima