Como NIP quer conquistar Valorant do Brasil

Ninjas in Pyjamas mergulharam no mercado brasileiro de Valorant em busca de sucesso depois de pouco impacto na Europa. O que motivou um movimento tão radical da organização sueca?

Os primeiros dois anos de NIP em Valorant vieram com mais dores de cabeça do que glória.

A organização sueca estava entre os primeiros grandes nomes a se expandir para o jogo de tiro tático da Riot Games, anunciando uma equipe já em 8 de abril de 2020, apenas um dia após o lançamento do beta fechado do jogo.

Em vez de entrar no desconhecido, o NIP manteve suas armas e foi com um lado de aparência familiar. Eles pegaram sua antiga lista de Paladins, pesada em coesão e com um título de Campeonato Mundial em seu nome, confiantes de que a equipe seria capaz de traduzir seu sucesso para o novo jogo.

Estúdios Hi-Rez

A primeira equipe de Valorant do NIP, que venceu o Paladins World Championship, durou dois meses

A experiência durou apenas dois meses.

Em junho daquele ano, o NIP se separou de toda a lista e construiu uma nova equipe do zero. Nove jogadores entraram e saíram nos 18 meses seguintes, enquanto o NIP experimentava diferentes combinações, mas o sucesso continuava a iludi-los.

Nos primeiros dois anos da história do Valorant, o NIP era pouco mais do que um lado comum da EMEA, um extra no grande esquema das coisas, já que equipes como Liquid, Fnatic, Acend e Gambit dominaram as manchetes e tomaram a região pela tempestade.

No final de 2021, o NIP já tinha o suficiente. Eles adotaram uma abordagem de terra arrasada, cessaram suas operações na EMEA Valorrant e voaram para o Brasil para começar de novo.

Um país rico em potencial

A NIP entrou no mercado brasileiro de Valorant com o objetivo de expandir sua presença na América Latina, uma região que, com sua cena de e-sports vibrante e dinâmica, está frequentemente na mente de muitas organizações e desenvolvedores de jogos atualmente.

BELISCAR

NIP COO Jonas Gundersen diz que a organização vai investir fortemente no Brasil

Em 2018, o NIP fincou sua bandeira no Brasil, pegando um time de Rainbow Six que, três anos depois, embolsaria US$ 1 milhão após vencer o Six Invitational. Essa história de sucesso, juntamente com seu conhecimento do mercado brasileiro, facilitou para os Ninjas vender sua visão do projeto para potenciais jogadores.

“O Brasil tem visto um crescimento incrível nos jogos, e eu sinto que eles querem mais”, disse Jonas Gundersen, Chief Operating Officer (COO) da NIP, ao Dexerto. “Queríamos servir a isso e investir ainda mais nessa comunidade e região como um todo.

READ  Brasil ocupa a 4ª posição entre os 44 países mais ricos do mundo

“É claro que é mais fácil tomar essa decisão quando você já tem uma equipe bem-sucedida do Rainbow Six e já tem uma base de fãs, boa tração e bom reconhecimento de marca.”

Segundo ele, uma das razões pelas quais o NIP desviou os olhos da EMEA é que a região se tornou “muito lotada”. O Brasil, por outro lado, ainda tem um enorme potencial inexplorado, já que uma geração mais nova está adotando lentamente o Valorant no país. Também oferece um caminho mais fácil para alcançar o Valorant Champions, com o Brasil tendo uma vaga no evento de final de ano – e potencialmente mais duas através do South American Last Chance Qualifier.

“Não se engane, a ideia não é tomar como time ** t e conseguir uma vaga com muita facilidade apenas porque queremos estar no Valorant Champions”, enfatizou Gundersen. “A ideia é ganhar um Major do Brasil. Essa sempre foi a ambição.

“Conhecemos o pool de jogadores, que é incrivelmente bom, então é uma mistura perfeita de trabalhar com a Riot, investir em uma região em que acreditamos e onde já estamos presentes e desenvolver uma base de jogadores”.

Acelerando as operações

Em 16 de janeiro, o NIP revelou a nova lista do Valorant, uma combinação de talentos brasileiros e argentinos. A equipe, encabeçada pelo ex-jogador do FURIA CS: GO Alexandre ‘xand’ Zizi, que participou do StarLadder Major de 2019 com a INTZ, passou seu primeiro teste com louvor, classificando-se para o VCT Brazil Stage 1 Challengers – o primeiro grande evento de 2022.

A crescente popularidade do jogo levou a uma onda de interesse de organizações no Brasil. MIBR, LOUD, B4 Esports e Los Grandes jogaram o chapéu no ringue, prontos para renovar antigas rivalidades e criar novas, o que por si só apresenta muitos espectadores ao jogo.

Uma recente partida classificatória entre MIBR e Pancada e Amigos, que passaria a se juntar à LOUD, atraiu mais de 60 mil espectadores simultâneos – número superior ao pico de audiência de qualquer evento da VCT Brasil realizado em 2021, com exceção do Stage 1 Masters , de acordo com o site de estatísticas Esports Charts.

READ  FTSE 100 perde apenas para o Brasil entre os melhores desempenhos em 2022

Isso tem todos os ingredientes de uma era de ouro para o Valorant brasileiro, mas há talento suficiente para todos? O fundador e co-CEO da FURIA, Jaime Pádua, conversou com Dexerto em dezembro sobre as dificuldades de ter 10 times competitivos no CBLOL, a principal divisão do país no League of Legends. Ele disse: “Você tem três, quatro, cinco grandes jogadores que são procurados por 10 equipes”.

Esses mesmos problemas também parecem ter surgido na cena do Valorant. Depois de entrar com o Pancada e Amigos, a MIBR teve que se contentar com outra lista, uma que não seria capaz de se qualificar para os Desafiantes do Estágio 1. A Sharks Esports e a Team Vikings buscaram soluções mais criativas na offseason e trouxeram jogadores de Portugal.

“O Brasil é uma região menos desenvolvida no nível superior”, observa Gundersen. “Com isso dito, o pool de jogadores é incrivelmente empolgante e estamos chegando com 20 anos de experiência vencedora de FPS.

“Sentimos que podemos acrescentar muito [to the ecosystem] em termos de experiência e metodologia prática, para que, a longo prazo, possamos construir listas realmente fortes. ”

A NIP quer trazer o modelo de academia CS:GO para Valorant e Brasil para ajudar no desenvolvimento do jogo em níveis inferiores. Sua formação Young Ninjas, criada em dezembro de 2020 por necessidade depois que o pool de talentos na Suécia secou, ​​já viu três perspectivas – Erik ‘⁠ztr⁠’ Gustafsson, Linus ‘LNZ’ Holtäng e Love ‘phzy’ Smidebrant – jogam para o time principal.

A infraestrutura em torno das equipes brasileiras da NIP ainda está engatinhando, mas há planos em andamento para ampliar suas operações no país. Até o final de 2022, o NIP quer ter uma sede “adequada” que funcionará como centro de treinamento para suas equipes, que ainda viajarão para a Europa ocasionalmente para bootcamps antes de grandes eventos.

Sueco ao núcleo

A decisão de aumentar sua presença no mercado latino-americano faz parte de uma estratégia de expansão global que viu a NIP se fundir com os gigantes chineses ESV5 em agosto de 2021. Também ocorre apenas um ano após um rebrand “crucial” que introduziu uma nova identidade visual, inspirada pelo Japão antigo.

PGL

Gundersen insiste que a NIP permanecerá leal à sua herança sueca

Mas essa convergência de culturas e influências fará com que a NIP abandone suas raízes suecas? Gundersen diz que esse não é o caso – e usa um exemplo curioso para mostrar seu ponto de vista.

READ  Véspera da Embraer recebe pedido brasileiro de 100 VTOLs

“A IKEA também se tornou global, [yet] eles ainda se sentem como uma entidade sueca no núcleo com valores suecos ”, explica ele. “Talvez tentemos replicar um pouco disso.

“Você vê isso em todos os lugares, não somos os únicos a se globalizar. Definitivamente, queremos ter uma saída mais global, mas estamos muito orgulhosos de nossa herança sueca. Sempre foi o plano fundir a herança sueca e os valores e a infraestrutura que temos com a marca e o sentimento japonês.

“Acho que qualquer empresa que se fundir na magnitude que fizemos experimentará turbulência, porque isso não é fácil de realizar. Se você me perguntasse se era uma boa ideia fazer uma fusão global chinesa no meio de uma pandemia, a resposta provavelmente seria ‘não’. Mas, ao mesmo tempo, acho que está indo muito bem e que leva algum tempo para integrar tudo isso.

“Mas estamos muito alinhados com onde queremos ir com a empresa. Não acho que tenhamos uma crise de identidade. Agora estamos pegando todas as grandes coisas que fizemos e consolidando-as sob a bandeira do grupo NIP.”

Nos últimos 12 meses, a NIP não poupou esforços para alcançar as superpotências dos esports. Em abril do ano passado, eles assinaram o CS: GO prodígio Nicolai ‘device’ Reedtz da Astralis em um acordo que se acredita valer US $ 700.000. Neste verão, a bandeira do NIP será hasteada na LPL, a competição de alto nível da China no League of Legends, substituindo o Victory Five.

Tudo faz parte de uma estratégia ambiciosa que visa colocar o NIP na conversa em todos os principais títulos de esports. E agora, depois de dois anos de miséria, eles finalmente estão se posicionando para dar um empurrão no Valorant.

“Quero ganhar vários Majors da região brasileira em Valorant e investir pesado nisso”, acrescenta Gundersen. “Queremos encontrar os melhores jogadores, queremos torná-los melhores e queremos vencer.

“O efeito compensatório disso é que vamos cultivar a região brasileira desde a base. Com a abordagem Young Ninjas, daremos muitas oportunidades aos jovens jogadores.

“Trata-se de construir a região como uma delas. Estamos lá para vencer. Não é porque é uma região adormecida. Estamos lá porque achamos que podemos obter talentos realmente bons e desenvolvê-los em uma região realmente grande. ”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

PETROLINK.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Petro Link