Ativistas do clima pedem ao presidente Jair Bolzano que investigue as políticas da Amazônia

Um grupo de advogados especializados em questões climáticas exigiu que o presidente Jair Bolsanaro fosse julgado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade causados ​​pelas políticas de seu governo na Amazônia.

O Alice Group entrou com uma ação na corte mundial acusando a gestão de Bolsanaro de “ataques generalizados à Amazon, seus apoiadores e defensores” que afetam a população mundial.

A chamada vem três semanas antes da 26ª Conferência sobre Mudanças Climáticas COP26, que começa em Glasgow em 31 de outubro.

A cúpula de 12 dias visa garantir maiores ambições de reduzir o aquecimento global para 2 graus Celsius, com o objetivo de mantê-lo em 1,5C em comparação com os níveis pré-industriais.

O foco do evento é arrecadar fundos para combater as mudanças climáticas e proteger comunidades vulneráveis ​​e habitats naturais.

O presidente brasileiro Jair Bolzano fez um gesto durante um evento.
O Sr. Bolzano é presidente do Brasil desde janeiro de 2019.(AB: Eraldo Perez)

Desde que assumiu o cargo, Bolzano encorajou o crescimento na Amazônia e rejeitou as reclamações globais sobre sua destruição como uma conspiração para bloquear o agronegócio brasileiro.

Seu governo enfraqueceu as autoridades ambientais e apoiou ações legais para facilitar a segurança da terra, incentivando os grileiros.

“Crimes contra a natureza são crimes contra a humanidade. Jair Bolzano abre os olhos para a catástrofe da Amazônia e alimenta o fogo com pleno conhecimento de suas consequências”, disse o fundador do Alice, Johannes Wesman, em um comunicado.

“O TPI tem o dever claro de investigar crimes ambientais de gravidade global”.

Índios Avadi brasileiros vêm de bicicleta
Os índios Avadi estão entre os mais de 100 grupos tribais da Amazônia brasileira.(AFP)

Esta não é a primeira vez que líderes de direita brasileiros pedem a intervenção do TPI.

Dois anos atrás, um grupo de advogados e ex-ministros brasileiros convocou o tribunal para investigar Bolzano por incitar o genocídio das tribos e por não proteger as florestas e terras protegidas onde vivem.

Antes de Bolzano assumir o cargo em 2019, a Amazônia brasileira não registrava um ano com mais de 10.000 quilômetros quadrados de desmatamento em uma década.

Entre 2009 e 2018, a média foi de 6.500 quilômetros quadrados por ano, em comparação com uma média de 10.500 quilômetros quadrados durante o mandato de Bolsanaro.

Números preliminares divulgados no mês passado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil mostram que o desmatamento na Amazônia brasileira diminuiu pelo segundo mês consecutivo em agosto em comparação com o mesmo período de 2020.

Uma foto aérea de duas árvores no meio de uma grande floresta, no fundo da floresta
Vista aérea da parcela de desmatamento da Amazônia no estado brasileiro de Rondônia.(Reuters: Ueslei Marcelino)

No entanto, Wesman insiste que Bolzano seja responsável perante o mundo, além das comunidades amazônicas.

“Nosso caso visa adicionar uma dimensão internacional importante à luta deles”, disse Wesman.

“Amazon é deles, mas todos nós precisamos.”

AB / ABC

READ  Os melhores 30 planejamento tributario para você

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Petro Link