A queima da cana polui as comunidades de cor na Flórida. Brasil mostra o outro caminho

ProPublica Esta é uma redação sem fins lucrativos Investiga abuso de poder. Cadastre-se para receber Nossas grandes histórias Assim que forem liberados.

Brasil mostra que cana pode ser colhida sem poluir o ar

Este ano, repórteres do The Palm Beach Post e da ProPublica Estudou os efeitos da queima da cana Na Flórida. O processo de colheita ajuda a produzir mais da metade da cana-de-açúcar dos Estados Unidos, mas também envia fumaça e cinzas para comunidades de baixa renda no centro do estado.

Em nosso relatório, aprendemos que outros países encontraram maneiras de colher suas safras sem essas queimadas. Por isso, recentemente viajamos ao Brasil, o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, para saber como e por que eles mudaram para um método diferente.

O Brasil possui uma grande indústria de cana-de-açúcar que produz açúcar bruto, etanol e eletricidade. O país cultiva mais de 20 milhões de acres, em comparação com menos de 1 milhão de acres nos Estados Unidos

Os moradores de São Paulo, maior estado produtor de cana-de-açúcar do país desde a década de 1990, estão tão preocupados hoje quanto os moradores de Gladys: reclamaram de mantas cinza e de terno e de problemas respiratórios em casa.

Em resposta à pressão pública, as autoridades de São Paulo promulgaram uma lei em 2002 que exigia a remoção gradual das queimadas antes da colheita nas próximas três décadas. Os fabricantes investiram em equipamentos de colheita que permitiam o corte da cana sem queima. Nos anos seguintes, a indústria da cana-de-açúcar trabalhou em estreita colaboração com o governo estadual para eliminar quase todas as queimadas e implementar outras medidas de proteção ambiental até 2017. (As queimaduras são permitidas até 2031 em áreas íngremes o suficiente para não serem colhidas por máquina).

Os resultados são dramáticos. As folhas secas da cana-de-açúcar antes eram esfumaçadas e agora formam uma manta protetora sobre os campos, enriquecendo o solo. Algumas dessas folhas, comumente chamadas de palha no Brasil, são coletadas para gerar energia renovável. O excesso de eletricidade das usinas é vendido para a rede, geralmente com lucros significativos.

READ  Fugitivo da justiça brasileira participa de evento com Bolsonaro em Orlando

“Hoje, não tenho dúvidas de que ninguém quer voltar ao passado e ninguém quer queimar [sugar cane]Disse Antonio de Padua Rodriguez, diretor técnico da Associação Brasileira da Indústria de Cana-de-Açúcar.

A ProPublica fez vários pedidos a dois dos maiores produtores de açúcar da Flórida para filmar o processo de colheita e moagem e conduzir entrevistas com representantes da empresa para a história. O porta-voz da U.S. Sugar negou. Florida Crystals não respondeu aos pedidos de comentários.

Este último, no entanto, disse a agências de notícias anteriormente que o Brasil era um dos muitos países “incompatíveis com o sul da Flórida” devido às diferenças nas práticas agrícolas, solo, clima e regulamentos.

Embora a empresa não tenha fornecido mais detalhes sobre suas reivindicações, uma equipe jurídica afiliada à indústria argumenta que a palha que sobrou da colheita da cana-de-açúcar verde não queimada promove o apodrecimento do solo nutritivo da Flórida e atrai pragas. Os principais agrônomos e líderes da indústria brasileiros reconhecem que o solo da Flórida difere deles em alguns aspectos importantes, mas nos disseram que podem administrar com eficácia os desafios criados pela palha remanescente.

“Se o problema for palha, você pega e gera energia, e assim você ganha duas vezes”, disse Arnoldo Portoleto, presidente da Associação dos Cooperados de Produtores de São Paulo.

Na verdade, algumas canas na Flórida já são colhidas sem queimar quando cultivadas em áreas tampão “sensíveis à fumaça” perto de escolas, hospitais, rodovias e casas de repouso. Nem a US Sugar nem a Florida Crystals responderam a perguntas sobre por que a colheita não queimada não pode ser expandida.

A vice-presidente norte-americana do açúcar, Judy Sanchez, disse anteriormente ao The Palm Beach Post e à Propolica que quaisquer mudanças nas práticas de colheita na Flórida teriam um “impacto econômico significativo”. Porém, quando questionada sobre detalhes, a empresa não respondeu.

READ  Lula declara três dias de luto nacional pela lenda do futebol brasileiro Jagalo Football News

No Brasil, as implicações financeiras da mudança de carreira foram conduzidas com sucesso. As empresas devem, entre outras mudanças, reciclar trabalhadores para combater incêndios florestais nos canaviais e formar brigadas de incêndio. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Açúcar, entidade que representa as usinas e a indústria do etanol, a compra de colheitadeiras é um dos maiores investimentos.

Especialistas brasileiros dizem que as empresas da Flórida já compram e mantêm colheitadeiras há anos.

“Você vai usar a mesma máquina que colhe a cana queimada e ela vai colher a cana original”, disse Marcos Landell, diretor-geral do Instituto Agrário de Campinas, grande instituto de pesquisa agrícola e pós-graduação do estado de São Paulo.

Autoridades da indústria e do governo da Flórida disseram que o Brasil fornecerá algum tipo de subsídio, o que ajudará a compensar o custo da mudança. Funcionários do governo e executivos do açúcar no Brasil negaram o pedido, dizendo que as empresas não recebiam subsídios diretos. No entanto, a indústria tem se beneficiado de políticas federais de apoio à agricultura e de promoção da produção e uso de etanol e outras fontes de energia renováveis.

Nos Estados Unidos, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos afirma que o governo federal “apóia os preços do açúcar dos Estados Unidos, que geralmente são mais altos do que os preços comparáveis ​​no mercado mundial”.

No Brasil, a mudança para a colheita mecanizada resultou em perdas líquidas de empregos porque menos trabalhadores eram necessários para operar as novas máquinas do que para cortar a cana manualmente. No ano passado, as autoridades locais e os residentes de Gladys disseram à ProPublica que temem que um resultado semelhante possa ocorrer se as queimaduras forem interrompidas na Flórida. Mas especialistas brasileiros nos dizem que não esperam perdas significativas de empregos na Flórida porque a colheita já era mecanizada, como aconteceu na década de 1990.

Nos Estados Unidos, pouca pesquisa foi feita sobre como a Flórida pode fazer a transição para um novo sistema de colheita. Agrônomos da Universidade da Flórida estudaram métodos alternativos de colheita e nos disseram que deixar palha no solo da Flórida pode fazer com que as plantas congelem e inibir o crescimento de curto prazo, mas pode fornecer benefícios de longo prazo. O estudo, financiado pela Florida Sugar Cane League – um grupo da indústria – e pelo Departamento de Energia da Flórida, não explorou o potencial econômico, incluindo as implicações de trabalho de tal mudança.

READ  Panorama - Desbloqueando o potencial offshore do Brasil na Nor-Shipping

As autoridades da Flórida decidiram regulamentar as queimadas em vez de bani-las. Mas o ProPublica e o The Palm Beach Post descobriram que os reguladores dependiam de um sistema de monitoramento do ar desgastado que não conseguia calcular os picos de poluição de curto prazo, um sinal de queima de cana na Flórida. Percebendo o potencial de danos aos humanos, o Departamento de Agricultura e Serviços ao Consumidor do estado promulgou novos regulamentos para queimar em 2019. Mas o número de queimadas finalmente permitidas na safra de 2020-21 é comparável aos anos anteriores.

O comissário de Agricultura, Nicky Freight, disse acreditar que a “colheita em verde pode ser uma alternativa viável”, mas seu escritório disse que “nenhum sistema de colheita alternativo ainda emergiu como uma opção ambiental e economicamente viável”.

Enquanto isso, as pesquisas estaduais sobre os efeitos da queima da cana-de-açúcar na saúde parecem paralisadas. Em 2016, pesquisadores do Departamento de Saúde da Flórida recomendaram uma avaliação de risco à saúde após descobrir que as queimadas antes da colheita emitem poluentes atmosféricos tóxicos. Esse estudo avaliaria se os membros da comunidade tinham doenças relacionadas aos poluentes que os pesquisadores encontraram. Mas, cinco anos depois, o departamento ainda não produziu tal estudo. Não responde à pergunta do porquê.

Lulu Ramadan e Letícia Klein / Ambiental Media contribuíram com a reportagem e Dorisburg com a pesquisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima